05/09/2016 - 02h09

Atleta vibra com a realização dos Jogos Paralímpicos no Brasil

O mundo voltará a vivenciar novas emoções esportivas a partir do dia 7 de setembro. Trata-se dos Esportes Paralímpicos, no Rio de Janeiro, que reunirá, em 11 dias de competição, 528 provas que valerão 225 medalhas femininas, 265 masculinas e 38 mistas, conforme informações do site dos Jogos Paralímpicos Rio 2016.

Na Serra Gaúcha, está a vibração e a empolgação da atleta paralímpica, Rosangela Azevedo Dalcin, que participou, por seis vezes, de Jogos Parapanamericanos. O último, em novembro de 2011, no Parapanamericano de Guadalajara, no México, quando conquistou, na modalidade tênis de mesa, a medalha de Bronze em Equipe, com a atleta Luana Silva, de Niterói (Rio de Janeiro).:

 - Nunca tive a oportunidade de participar de uma Paralimpíada, mas torço pelo meu técnico, Luciano dos Santos Possamai, que hoje está com a seleção brasileira de tênis de mesa, em Brasília -, ressalta.

Foi em 1996 que Rosângela conheceu o esporte paralímpico:

 - Até então, não imaginava que uma pessoa portadora de deficiência poderia ser atleta. A partir daí, ninguém mais me segurou. Descobri que, além de trabalhar e estudar, também poderia ser atleta e atleta de ponta! Durante vários anos fiz parte da Seleção Brasileira de Tênis de Mesa e, por mais de 10 anos, fui a primeira no Ranking Nacional na Classe 3, primeira das Américas e também a 13ª do mundo -, conta.

Rosângela Azevedo Dalcin, 52 anos, ingressou na UCS em 1997, no curso de Direito junto ao Campus Universitário da Região dos Vinhedos, formando-se em 2003. Sua monografia versou sobre A proteção legal à portadora de deficiência – portadores de igualdade:

 - O curso de Direito trouxe uma experiência única na minha vida. Mesmo não exercendo a profissão, o curso contribuiu para que eu tivesse uma visão mais crítica das coisas e a racionalização da vida em sociedade, compatibilizando com as diferenças individuais e coletivas -, revela.

Em 2000, ela recebeu apoio – através do Projeto UCS Olimpíadas 2004 – para a modalidade esportiva, permitindo o aprimoramento no tênis de mesa:

 - Com o apoio da UCS e a Construtora Poletto Ltda, a partir de 2003, me aperfeiçoei no Tênis de Mesa Paraolímpico, com treinamento diário e obtendo melhores resultados. Só tenho agradecimentos à UCS, pois com o apoio tive oportunidade de me destacar no cenário nacional e internacional -, lembra.

Graças ao esporte, Rosângela participou de vários campeonatos nacionais e internacionais em mais de 10 países, conquistando inúmeros títulos, troféus e 100 medalhas:

 - Hoje sei o quanto o esporte foi e é imprescindível em minha vida, pois me ensinou a superar limites, resgatar a autoestima, a promover valores, respeitar as diversidades, entre tantos outros benefícios. O curso de Direito me deu conhecimento. O trabalho, a dignidade. E o esporte, a superação de meus limites.

Rosângela trabalha na Prefeitura Municipal de Bento Gonçalves, onde já passou pelas secretarias de Turismo e de Desenvolvimento Econômico e hoje exerce funções no Escritório Regional da Junta Comercial de Bento Gonçalves, por meio de um convênio entre o governo do Estado e a Prefeitura.

Em função de duas cirurgias realizadas em 2013 e 2014, a mesatenista precisou deixar de jogar e treinar, afastando-se das competições. Mas isto não a impediu de conduzir, no dia 9 de julho, em Bento Gonçalves, a Tocha Olímpica dos Jogos Rio 2016. No revezamento de 5.100 metros, entre 25 atletas, Rosângela conduziu a tocha por 200 metros:

 - Os 200 metros mais emocionantes de minha vida, ressalta.

Texto: Cristina Beatriz Boff | Foto: Divulgação 

VOLTAR